março 26, 2021

Pandemia do coronavírus estimula avanços digitais para o setor de entretenimento

Veja como a necessidade de isolamento social alavancou digitalmente o setor cultural


Os impactos da pandemia do coronavírus que se iniciou em 2020 foram profundos, abrangentes e sem precedentes na história moderna. 


As consequências diversas foram sentidas por todos os setores da economia mundial. Não houve um só empreendedor, empresa, área de atuação ou profissional autônomo que se viu livre da necessidade de adaptar-se ou de se reinventar.

A reação dos setores precisou ser rápida e, ao mesmo tempo, estratégica para que pouco fosse perdido e inúmeros pontos sofressem apenas uma transformação.

É aí que entra o grande protagonismo da tecnologia e da internet no auxílio de todas as modificações necessárias para os mais variados setores continuarem suas rotinas de serviços mais próximas do habitual possível.

É nítido que o setor de entretenimento foi um dos mais afetados pelos desdobramentos da pandemia.

Isso fez com que empresas Brasil inteiro acelerassem a digitalização dos seus serviços levando em conta que o ano de 2020 representou uma recessão de 6,5% ao compararmos com o ano anterior. Esta porcentagem significou a queda de US$2,5 bilhões de receita!

A seguir, separamos algumas informações relevantes sobre a atual e crescente relação entre a tecnologia e o setor do entretenimento.

A importância da tecnologia na continuidade do entretenimento

Os novos hábitos de consumo da população foram a base de todas as ideias de alteração e modificação de serviços no setor do entretenimento.

Apesar da recessão, a expectativa de crescimento com a ajuda da inclusão de tecnologia e transformação digital do setor é bastante animadora para os próximos anos. Estima-se que, anualmente, a média de avanço econômico será de 2,47% em todo o Brasil.

Estas alterações atingem o ramo de maneiras diferentes conforme o seu público e atuação no mercado.

O cinema em 2015, por exemplo, tinha uma receita três vezes maior do que os vídeos sob demanda. Cinco anos depois, com a pandemia, o cenário é outro: as assinaturas para o consumo de vídeos sob demanda em 2020 já ultrapassou a dos cinemas.

A estimativa é que em 2024, o chamado SVOD, Subscription Video on Demand (vídeo sob demanda a partir de assinatura), já tenha dobrado em comparação com os cinemas. Video Games, livros e serviços de streaming são os destaques.

Com o aumento de compartilhamento de conteúdo online, o consumo de dados globalmente foi 33,8% maior em 2020, a venda de livros aumentou 1,4% a cada ano desde 2019 e a receita do setor dos videogames aumentou 7%. Quando pensamos em e-sports este crescimento é ainda maior, chegando a 29,7%.


As principais adaptações do setor
 

1. Apresentações musicais transmitidas online

O avanço digital mais palpável e imediato foi no setor da música. Algumas semanas depois do início da pandemia do coronavírus, inúmeros cantores e bandas já estavam agendando as suas apresentações por meio das suas redes sociais ou plataformas de streaming.

A adaptação do público também foi rápida. Milhares de pessoas em todo o Brasil começaram a participar, assistir e compartilhar este tipo de iniciativa chamando atenção de patrocinadores e parceiros.

2. Torcida virtual em jogos de futebol

No país do futebol é quase inimaginável um clássico sem a presença de milhares de torcedores. A solução? Incluir tecnologia e investir em uma transformação digital.

A principal escolha de clubes em todo o país foi a de vender ingressos online para que os torcedores aparecessem à distância nos jogos e continuassem a garantir a sua presença em eventos importantes.

Esta alternativa rendeu aos times uma renda extra, já que a venda de ingressos presenciais foi proibida.

3. Plateia à distância em programas de televisão

Programas de auditório também têm o seu lugar na cultura e no entretenimento brasileiro. É inviável que sejam respeitadas as medidas de segurança e distanciamento social em um estúdio de televisão. Entretanto, isso abriu espaço para diferentes ideias de participação e presença do público.

Redes sociais, comentários em tempo real e a inclusão de plateia online foram as saídas imaginadas por inúmeros programas em todo o Brasil.

4. Lives colaborativas em redes sociais

As lives tomaram conta da internet, com ou sem as famosas apresentações musicais.

Discussões online sobre assuntos diversos, palestras interativas, conversas colaborativas, webinars e seminários online são muito comuns hoje em dia.

Não necessariamente focados em assuntos profissionais, estas lives renderam entretenimento de qualidade, conseguindo conquistar seu espaço na agenda de pessoas ao redor do mundo. Outro ponto positivo é o de aumentar ainda mais o alcance de informações relevantes para a sociedade.

5. Teatro live

Até as artes milenares do teatro tiveram que se transformar em prol da sua sobrevivência no setor do entretenimento e da cultura.

A criação do teatro live está sendo uma ótima alternativa para expor pessoas de todas as idades às peças clássicas e contemporâneas com acessibilidade e didática.

A aproximação do número máximo de pessoas para os espetáculos não tem precedentes no teatro.

Os benefícios do teatro live são diversos. De exposição de assuntos diferentes a assistir atuações relevantes no ramo, o acesso do público geral a este tipo de entretenimento pode significar descobertas e aprendizado.

O teatro sempre esteve no centro das discussões sobre a acessibilidade cultural. Com a internet, a incorporação de espetáculos à distância fará profunda diferença no ramo, fazendo com que um público ainda mais diverso e múltiplo prestigie atores e escritores brasileiros. 

Postagem anterior
Próximo post

0 Comments: